sábado, 25 de junho de 2011

O Experimento Philadelfia

Nasce uma lenda
A história que é conhecida sob o título de "O Experimento Filadélfia", surgiu através de uma série de eventos estranhos, com uma figura verdadeiramente misteriosa como estrela principal. Em 1955 um livro intitulado "The expanding case for the UFO" foi publicado. Este livro não iria ser tão conhecido por seu conteúdo, mas por causa dos eventos que se seguiram.  

O autor era Morris K Jessup, um astrônomo formado pela Universidade de Michigan, onde ele também palestrou por um tempo. Mas Jessup também era um apaixonado investigador OVNI. Depois de publicar seu livro ele começou uma série de conferências públicas para promover sua publicação. Em janeiro de 1956 Jessup recebeu uma carta de alguém que obviamente assistiu a pelo menos uma de suas conferências e também leu seu livro. A carta comentava sobre o que Jessup escrevera sobre os OVNIs e em certo ponto havia uma referência a um incidente incomum.
Morris K Jessup
 
De acordo com a carta, em outubro de 1943 um experimento ultra-secreto foi conduzido pela Marinha dos EUA. O resultado da experiência foi a invisibilidade e teleporte de um destróier dos EUA, enquanto no mar. 

Carlos Miguel Allende
A carta era assinada por um certo Carl Allen, que também usou o pseudônimo de Carlos Miguel Allende. De acordo com Allen o Experimento era de fato uma aplicação prática da Teoria de Campo Unificado de Einstein.
A história de Allende
Allen afirmou que em outubro de 1943, enquanto estava a bordo do navio Liberty USS Andrew Furuseth na área de Norfolk Va, um navio, do tipo destróier, subitamente surgiu de lugar nenhum, parcialmente coberto por uma névoa verde de forma esférica. O navio permaneceu por apenas alguns minutos e então desapareceu novamente. Ele também menciona que de acordo com um jornal da Filadélfia observadores no Estaleiro da Filadélfia testemunharam exatamente o evento oposto, um navio desaparecendo e então voltando outra vez. Ele de fato alega que o navio foi teleportado da Filadélfia para Norfolk em questão de minutos (a distância real requer aproximadamente 24 horas). 

Base Naval de Philadefia em 1947
A história de Allen continua, relatando vários incidentes estranhos considerado como efeitos da experiência nos tripulantes a bordo do destróier. Um deles segundo relatos simplesmente desapareceu no meio de uma briga de bar, outro "entrou" em uma parede em frente dos olhos de sua família e nunca mais retornou, e quase todos eles sofreram problemas psicológicos sérios e tiveram que ser hospitalizados. A opinião de Allen é que a experiência saiu de controle e os resultados amedrontaram as pessoas no comando, resultando no encerramento de todo o projeto três anos depois. 
Jessup não estava convencido pelas alegações selvagens de Allen e pediu evidência mais substancial para o incidente. A resposta de Allen veio em 25 de maio de 1956, e não forneceu a evidência que Jessup esperava. Além da falta de evidência, as cartas de Allen estavam cheias de palavras em maiúsculas, orações e teorias incoerentes e uma mistura de teorias que soavam científicas e deduções irracionais. Subseqüentemente Jessup deixou o assunto de lado e não prestou atenção adicional à história.
O Escritório de Pesquisa Naval (ONR – Office of Naval Research)
Um ano depois, na primavera de 1957, Jessup recebeu um convite para uma reunião do Escritório da Marinha de Pesquisa Naval. Foi-lhe apresentada uma cópia de seu livro repleta de anotações. As anotações estavam em três cores diferentes e aparentemente em três letras diferentes, assim de três pessoas. 
As anotações reproduziam a história de Allen relativa ao suposto Experimento Filadélfia e se estendia bastante em comentários sobre viagem interplanetária, sistemas de propulsão de OVNIs, as teorias de Einstein e Tesla, tudo isso usando linguagem e terminologia sugerindo conhecimento e treinamento científicos acima da média. 
Clique aqui para ver a uma das cartas de Allen para Jessup.
Jessup reconheceu pelo menos uma das caligrafias como de Allen, enquanto o estilo e formato das anotações se assemelhavam fortemente às cartas de Allen. 
Em um ato bastante estranho e questionável, oficialmente considerado pela Marinha como "uma iniciativa privada de certos funcionários do ONR", o ONR republicou o livro anotado, com as cartas de Allen em forma de prefácio, em um número limitado de cópias (a quantidade não foi firmemente estabelecida e parece variar de 10-130 cópias). Esta versão do livro de Jessup ficou conhecida como a "Edição da Varo", nome da companhia que lidou com a publicação. 
Jessup se suicidou dois anos depois, em abril de 1959, porque estava enfrentando séria angústia psicológica devido a problemas matrimoniais. O que aconteceu durante esses dois anos é desconhecido. É quase certo que Jessup recuperou seu interesse pelo caso, por causa do interesse do ONR, e provavelmente contatou novamente Allen. Jessup também discute o assunto com amigos e colegas e o Experimento Filadélfia se torna mais conhecido, atraindo o interesse de mais pessoas. 
O período dos livros
O paradeiro de Allen não foi firmemente estabelecido durante os anos seguintes. Acredita-se que ele passou muito de seu tempo no México e viajando pelos EUA, como um andarilho ou cigano. 
Por volta do fim dos anos 60, muitos investigadores começam a se interessar pela história de Allen, escrevendo artigos e livros. Em 1967 três livros, lidando direta ou indiretamente com a história, foram publicados:
- "The Allende Letters", de Brad Steiger 
- "Uninvited Visitors", de Ivan Sanderson (Sanderson era amigo de Jessup e muitas pessoas tendem a acreditar que Jessup revelou a ele vários pontos obscuros relativos ao envolvimento do ONR)
- "Anatomy of a Phenomenon", de Jacques Vallee Steiger e Valee se corresponderam com Allen, recebendo informações e fazendo perguntas. 
Em 1969 outro incidente estranho tem lugar. Allen aparece no Escritório de Pesquisa de Fenômenos Aéreos (APRO) em Tucson, Arizona, onde confessa que toda a história é uma fraude que ele inventou. 
Allen reaparece sendo entrevistado por Willian Moore & Charles Berlitz em "The Philadelphia Experiment" em 1979. Ele volta atrás em sua confissão, sem se explicar muito, e se atém novamente à história inicial. Este livro é de fato o que tornou a história do Experimento Filadélfia famosa e lendária. Para muitas pessoas é a pesquisa mais consistente no assunto. Moore diz que trocou várias cartas com Allen e que também o encontrou pessoalmente. 

Charles Berlitz
A última aparição de Allen registrada de forma confiável foi em 1983, em uma entrevista a Linda Strand. Acredita-se que Allen morreu em 1994 em Colorado, de acordo com os registros da Previdência social.
Outra fonte
Durante os anos 80, outra testemunha ocular surgiu. Desta vez era Al Bielek, que alega que era o responsável pela eletrônica a bordo do navio do Experimento Filadélfia. De acordo com Bielek, o Experimento ocorreu em duas fases, em 23 de julho e 12 de agosto, e não em outubro. 
Al Bielek
Sua história pessoal é ainda mais incrível. Ele afirma que a experiência não só resultou no teleporte do navio, mas também em viagem no tempo. Bielek diz que viajou no tempo a 1983, e então voltou novamente para acabar com o experimento. Ele também alega que sofreu lavagem cerebral para esquecer tudo, e que suas recordações só voltaram depois de assistir ao filme "The Philadelphia Experiment". De acordo com Bielek, experimentos semelhantes estavam sendo conduzidos em instalações ultra-secretas durante os anos 70 e 80, e ele também fez parte dessas experiências. Líderes do experimento inicial de 1943 eram três figuras proeminentes: Nikola Tesla (embora estivesse morto desde o início de 1943), Albert Einstein e John Von Neumann. 
Bielek tem sustentado sua história apaixonadamente através de uma série de conferências, livros, entrevistas, e até mesmo vídeos, incluindo vários detalhes científicos (seu Ph.D. em Física sendo-lhe muito útil). 
De vez em quando, outros aparecem também, a maioria alegando ter estado a bordo do navio como pessoal científico e técnico, mas suas histórias são muito semelhantes às de Bielek e extremamente consistentes com o roteiro do filme de 1984, "The Philadelphia Experiment". 
A identidade do navio
A primeira referência sobre a identidade do navio está no livro de Moore & Berlitz. De acordo com Allen e as investigações dos autores, o navio era o destróier escolta DE-173 Eldridge. 
Era um destróier de escolta da classe Cannon de 1240 ton. De acordo com a Marinha o navio foi comissionado em agosto de 1943 e usado como uma escolta de comboio no Atlântico e mediterrâneo até 1945, quando foi transferido para o teatro do Pacífico. Em julho de 1946 o Eldridge entrou para a Frota Reserva. 
Com relação ao período de tempo crítico, os registros oficiais da Marinha dos EUA indicam:
  • 27 de agosto de 1943, comissionado o navio no Estaleiro Naval de N. York;
  • 16 de setembro, o navio ruma para as Ilhas Bermudas para sua viagem inaugural;
  • 18 de outubro, retorna para N. York escoltando um comboio;
  • Permanece em N. York até 1 de novembro quando viaja para Norfolk escoltando o comboio UGS-23, e no dia 3 de novembro o navio parte para Casablanca com o comboio;
  • 17 de dezembro, retorna para N. York escoltando o comboio GUS-22; 
  • Permanece em N. York até 31 de dezembro quando viaja a Norfolk.
Em janeiro de 1951 o navio foi entregue à Marinha grega como parte do programa de ajuda militar, junto com três outros destróieres Cannon. Estes quatro navios ficaram conhecidos na Marinha grega como as "quatro bestas" por causa dos nomes que receberam: Aetos (Águia), Ierax (Falcão), Panthir (Pantera) e Leon (Leão). Dois destes navios se tornariam bem conhecidos nos anos seguintes. Aetos "estrelou" em alguns filmes ("Os Canhões de Navarone" entre eles) e Leon, D-54, como o ex DE-173 Eldridge, ou o navio do Experimento Filadélfia. 
O navio foi entregue á Marinha da Grécia
Muitos investigadores citam oficiais e marinheiros que serviram a bordo do Leon a respeito de situações estranhas. Foram feitos relatos sobre instalação elétrica que não devia estar onde está, começando de lugar algum e levando a nenhuma parte. Outros alegam que há compartimentos do navio que parecem ter sido lacrados. E muitos também dizem que os marinheiros normalmente tiveram calafrios, sentindo algo estranho no navio. Também foi dito que as páginas do diário de bordo que correspondem ao período de tempo crucial estão faltando. 
Outros relatos se referem a problemas de radar e comunicação de outro navio Cannon, o navio irmão do Leon, o Aetos. Eles contam sobre o Aetos ter desaparecido do radar durante exercícios da Frota grega e às vezes apresentando problemas sérios de comunicação sem qualquer razão aparente. Assim há uma teoria de que durante a entrega dos navios para a Marinha grega houve uma "troca" dos navios para obscurecer os rastros do Eldridge. 
O Leon serviu na Marinha grega até 1991, quando foi decomissionado e transferido para a Base Naval de Amfiali. O navio foi descartado para o ferro velho durante a segunda metade dos anos 90. O Aetos também foi decomissionado em 1991 e doado pelo governo grego à Associação de Marinheiros de Destróier Escolta. O navio foi levado por um rebocador russo para N York, e chegou ao museu Intrepid no dia 23 de agosto de 1993. Permaneceu lá até 1994 e foi restaurado à sua configuração de 1944. O navio foi recomissionado no dia 30 de abril de 1994 sob seu nome original, USS Slater DE-766. Em 1997 o navio viajou até Albany, NY, onde ancorou permanentemente como um museu náutico. O navio não é possuído pela Marinha de EUA, mas sim pela Associação de Marinheiros de Destróier Escolta e é listado no Registro de Lugares Históricos Nacional e do estado de Nova Iorque. Para o registro, o navio foi inicialmente comissionado no dia 1º de maio de 1944. 
TEORIAS
Há duas teorias básicas relativas ao Experimento Filadélfia. 
A primeira, apoiada por aqueles que sustentam o "evento misterioso", aceita que uma experiência altamente classificada aconteceu, objetivando aplicar as teorias de Einstein e Tesla para obscurecer visual e eletronicamente um destróier dos EUA. A maioria das pessoas acredita que a experiência teve efeitos trágicos na tripulação do navio e produziu fatos científicos que eram altamente inesperados e talvez até mesmo tenha criado uma anomalia do espaço-tempo. 

A segunda teoria, a dos céticos e da Marinha dos EUA também, é a de que nada descrito acima aconteceu. Allen confundiu conversas que ouviu e tratavam do degaussiamento [degaussing] de navios para protegê-los contra minas e torpedos magnéticos (torná-los "invisíveis" a dispositivos ativados por magnetismo). Talvez Allen também tenha interpretado mal, intencionalmente ou não, outros dispositivos experimentais, mas não exóticos, que estavam na ocasião montados em navios, como parafusos de novos tipos, novos sonares, etc. 
Na realidade o procedimento de degaussiamento, falando tecnicamente, se assemelha muito às descrições de Allen. É alcançado por um campo eletromagnético criado por fios correndo ao longo do corpo principal do navio. 
PONTOS PRINCIPAIS
Tendo recitado os eventos históricos e as duas teorias principais, está na hora de um exame detalhado desta história que, inacreditável como possa parecer, se tornou um dos mitos do século 20. 
Testemunhas e evidência
Carl Allen por volta de 1980
Os dois homens que se supõe sejam as testemunhas principais, Allen e Bielek, não se ajustam exatamente na descrição de uma testemunha confiável. Especialmente Bielek, que de fato recita o roteiro de um filme, o mesmo filme que ativou sua memória perdida há tanto tempo. A única razão pela qual ele é considerado como uma testemunha por muitos investigadores parece ser seu conhecimento detalhado de questões científicas e técnicas relativas ao eletromagnetismo, Teoria Unificada de Campos e suas possíveis aplicações. Em todo caso ele não ofereceu sequer uma única resposta ou prova convincente, algo que simplesmente o torna uma "não testemunha" a qualquer investigador sério. O mesmo se aplica a outras "testemunhas", como alguém chamado Dune que insiste que a experiência era, desde o princípio, uma experiência de viagem no tempo. Dune surgiu de lugar algum nos anos 90 e começou a vender suas "experiências" na forma de livros, conferências e fitas de vídeo. 
O caso de Allen parece ser diferente. Ele sempre foi rodeado por mistério, até mesmo em sua vida pessoal. Contudo, se examinarmos sua história, a maioria das coisas que ele diz não são situações que ele realmente testemunhou ou teve um envolvimento pessoal, mas principalmente histórias que ele ouviu e leu.
Suposta tripulação do  Eldridge

Para começar, foi confirmado que ele de fato serviu a bordo do USS Andrew Furuseth durante o período ao qual ele se refere. A única coisa que ele realmente alega que viu foi o navio cercado por uma névoa esverdeada durante alguns minutos em Norfolk. Ele nunca viu as preparações para a experiência, o navio desaparecendo da Filadélfia, o retorno do navio para a Filadélfia, o desaparecimento do marinheiro em um bar ou em qualquer outro lugar. Tudo isso é testemunho indireto, coisas que ele leu nos jornais ou ouviu em histórias, como ele mesmo diz. Por exemplo, ele se refere a um jornal da Filadélfia que tinha publicado um artigo relativo ao desaparecimento de um navio no estaleiro durante uma experiência da Marinha, contudo ele não pôde recordar qual jornal e em que data. O artigo nunca foi encontrado ou lido por qualquer outra pessoa. 

Tripulantes ficaram fundidos no casco do navio (cenas do filme: Projeto Philadelphia-1984)
Assim, parece que não há nenhuma testemunha confiável ou evidência positiva relativa ao Experimento Filadélfia. Talvez este artigo pudesse terminar aqui mesmo. Mas, pela objetividade, vamos seguir e examinar alguns outros aspectos importantes da história. 
O período de tempo
Allen e Bielek não conseguem concordar em uma coisa muito importante: a data em que a experiência aconteceu. Suas histórias dão duas datas diferentes com uma diferença de dois meses. Se nós assumirmos que a experiência realmente aconteceu e a data apresentada por Allen é acurada, então a experiência aconteceu depois do comissionamento oficial do navio. Isso significa que mais de 50 anos depois alguém da tripulação teria falado sobre o experimento (isto também inclui o caso de que a tripulação fosse levada para longe do navio). Pelo contrário, as pessoas que serviram a bordo do Eldridge se divertiram muito durante seu reencontro em 1999, e pareceram se divertir bastante com a fama de seu antigo navio. 
A história de Bielek não tem esta falha já que a data dele está antes do navio ser comissionando, significando que a experiência poderia ter sido realizada com uma tripulação apenas para o experimento. De acordo com Bielek, aqueles da tripulação que sobreviveram à experiência foram levados a instituições de tratamento psiquiátrico do exército, tanto porque precisavam quanto para assegurar seu silêncio. Para Bielek, isto explica também a falta de outras testemunhas. Um pensamento realmente cético seria que Bielek foi mais cuidadoso ao preparar sua história, em todo caso ele teve a vantagem de ser o segundo, depois de Allen. 
O navio da experiência
Uma observação muito lógica seria a de que foi dedicada muita atenção à identidade do navio e isso é verdade. As razões principais para isso são:
- identificar o navio realmente poderia fornecer um rastro de evidência
- não há nenhum outro dado sólido para lidar com (ou para especular sobre)
Desde 1979, quando o livro de Moore & Berlitz revelou a identidade do navio, um debate começou sobre o Eldridge, "onde o navio estava no dia 12 de agosto, ou 28 de outubro?", "o navio foi entregue à Marinha grega?", "Leon ou Aetos é o Eldridge?", etc. É realmente tão importante? Vamos considerar os pontos seguintes:
  1. Por que a Marinha, para conduzir uma experiência bastante "exótica" e potencialmente perigosa, escolheu um destróier de operações anti-submarino novo em folha, e não um navio antigo da Marinha ou da guarda costeira, ou qualquer outro navio menos útil? É impossível acreditar que a Marinha considerava que uma experiência para tornar um navio física e/ou eletronicamente invisível seria completamente segura.
     
  2. Até mesmo se fosse decidido realizar uma experiência ultra-secreta em vista do público, usando um navio novo em folha, quão difícil seria confundir os observadores sobre a identidade real do navio forjando os números de registro? Algo assim seria razoável o bastante para manter secreta a identidade do navio "invisível". Trocar números de
    registro em navios era e ainda é uma prática comum para confundir a inteligência inimiga relativa ao arranjo, condição e movimento de unidades. Deve ser notado que havia aproximadamente 70 destróieres escolta da classe Cannon, idênticos ao Eldridge e um número igual da classe Evarts, quase idênticos. 
  3. Se a experiência realmente tivesse lugar e o USS Eldridge fosse usado, por que deveria ser dado a outro país, até mesmo aliado, alguns anos depois? Se o navio não tivesse nenhum valor científico a coisa mais razoável a fazer seria usá-lo como um alvo para exercícios de treinamento de tiro. Muitos dos navios da classe Cannon terminaram desse modo. Adicionalmente, este seria um modo muito melhor para obscurecer o rastro de evidência que a doação para outro país, mesmo um tão remoto quanto a Grécia. Se o navio ainda fosse necessário por razões científicas (por exemplo, para estudar efeitos de longo termo em ligas) seria bem mais razoável manter o navio nos EUA, na Frota Reserva (alguns dos destróieres Cannon sobreviveram até o começo dos anos 70) ou como um monumento em um porto da costa Atlântica. Em todo caso a coisa mais razoável a fazer seria entregar à Marinha grega outro navio, supostamente o Eldridge, enquanto ao mesmo tempo o Eldridge permaneceria nos EUA sob a identidade de outro navio. 
  4. Muita especulação foi baseada no fato de que as páginas do diário de bordo relativas ao período crucial estão faltando no Leon. Mesmo que a experiência acontecesse a bordo do USS Eldridge e o navio fosse entregue então à Marinha grega tornando-se o Leon, quão difícil seria forjar um diário? É verdade que o diário de bordo de um navio é algo sagrado a marinheiros, mas quando se relaciona a um dos esforços científicos mais importantes da raça humana, talvez comparável apenas ao uso do fogo, então até mesmo essa regra poderia ser ou pelo menos seria violada. 
Parece que mesmo se o experimento realmente ocorreu, o navio que esteve envolvido nunca serviu na Marinha grega. Com relação às histórias e lendas que acompanham o Leon ou o Aetos, é um segredo comum que os marinheiros desde Ulisses são talvez os melhores contadores de histórias. Isto nem sempre é intencional e aqueles que serviram como tripulantes de um navio podem entender facilmente. 
As teorias científicas
Normalmente, a maioria dos artigos relativos ao Experimento Filadélfia incluem análise bastante detalhada da Teoria Unificada de Campos, eletromagnetismo, testes práticos de como dobrar a luz é possível, a natureza dimensional de tempo e propriedades. Mas o ponto não é se é cientificamente possível alcançar invisibilidade ou viagem no tempo, pelo menos não nos artigos que investigam o experimento. É claro, examinar essas teorias é da maior importância para a humanidade. Mas a lenda da experiência não foi construída no argumento de se é possível ou não, é a questão de se realmente aconteceu ou não. Em todo caso tanto Allen quanto Bielek alegam que não teve êxito, ou pelo menos que saiu de controle. A falta de uma base científica e/ou de capacidade técnica não prova necessariamente que as histórias de Allen ou Bielek não são verdadeiras, e vice-versa. 
Invisibilidade eletrônica é uma questão de grande interesse a todas as forças armadas. Hoje há aeronaves e navios que têm tais capacidades derivando de forma e materiais usados para minimizar retornos de sinais (invisibilidade passiva, aviões invisíveis), ou uma combinação de invisibilidade passiva e controle de emissões. 
Pesquisa e experimentos durante a Segunda Guerra
Infelizmente, desde o princípio da história humana, conflitos e aplicações militares em geral são algumas das fontes principais de avanços científicos e tecnológicos. O período de tensão durante uma guerra intensifica a pesquisa e acelera o avanço tecnológico, enquanto os lados opostos buscam modos de ganhar superioridade no campo de batalha. 
A Segunda Guerra Mundial levou a vários avanços tecnológicos, embora muitos deles possam ser considerados de necessidade questionável. Exemplos destes avanços ou aplicações são as evoluções na produção de borracha sintética, aeronaves a jato, evolução do radar, métodos novos de produção industrial para aumentar a produtividade e atingir níveis altos de padronização e, é claro, o uso da força nuclear. 
A maioria destas evoluções ou inovações foram resultado de projetos de médio ou alto sigilo, por razões óbvias. No topo desses projetos está o projeto Manhattan, pesquisando e testando a bomba atômica. Deve ser tomado como certo que havia um número significante de projetos que não produziram os resultados esperados ou pelo menos aplicáveis, e assim não se tornaram amplamente conhecidos. Alguns deles podem ter lidado com questões científicas que ainda são bastante obscuras. 
Assim, uma experiência relativa a aplicações práticas do eletromagnetismo, ou da Teoria Unificada de Campos, para atingir invisibilidade física ou eletrônica de aeronaves, navios ou veículos de terra não deveria ser considerada como algo totalmente impossível de ter acontecido. Mas tal experimento teve lugar na Filadélfia envolvendo um destróier de escolta? 
Por que tal experiência importante ocorreu na Base Naval da Filadélfia e não em outro lugar menos óbvio? Portos e bases como os em Nova Iorque, Filadélfia e Norfolk eram alguns dos pontos de observação favoritos para agentes alemães. Os agentes Abwehr costumavam escrever relatórios sobre a partida de comboios baseados nestas observações, que eles transmitiam ao seu comando. 
Teorias de conspiração
A Marinha dos EUA negou oficialmente a existência de qualquer projeto de pesquisa relevante durante a Segunda Guerra. Em resumo, de acordo com a Marinha o experimento nunca aconteceu. Um ponto chave na história é o chamado de Jessup pelo ONR e a edição da Varo que se seguiu. A maioria dos investigadores nota este fato como muito intrigante e eles estão justificados nisto. Em 1956 a Marinha mostrou um interesse nas anotações incluídas no livro de Jessup e muitas delas se referiam ao Experimento Filadélfia. Oficialmente, tanto o interesse quanto a edição da Varo foram o resultado de um interesse e iniciativa privados por certos funcionários do ONR. 
Parece que o interesse do ONR e a edição da Varo foram os eventos que de fato criaram a lenda do Experimento Filadélfia. Estes eventos criaram um sentimento de que a Marinha talvez tivesse algo a esconder. 
CONCLUSÕES
A lenda do Experimento Filadélfia está baseada em uma história totalmente inacreditável e insubstanciada (Allen), um interesse verdadeiramente estranho e talvez suspeito pelo ONR (edição da Varo), uma tragédia pessoal (o suicídio de Jessup) e um truque de marketing (a identificação do navio). Falando em termos jurídicos, não há
nenhuma evidência positiva ou qualquer prova sólida para dar credibilidade à história de Allen e sua apresentação no livro que é considerado o melhor no assunto (Moore & Berlitz). Há apenas uma evidência circunstancial, o interesse do ONR. E tudo isso depois de 45 anos de pesquisa e teorias. 
Baseado em lógica simples pode-se assumir que a história do Experimento Filadélfia como é conhecida não é verdadeira. Provavelmente é o resultado de Allen ter entendido mal coisas que viu ou ouviu em combinação com uma imaginação vívida e criativa. Adicionalmente, a reprodução da história em todos estes anos por investigadores às vezes de boas intenções e outras vezes motivados por dinheiro e fama, amplificou o que realmente não deveria ser nada além de um bom roteiro de filme. 
O único modo de provar que o experimento realmente ocorreu é a Marinha e o governo do EUA admitirem tal. Entretanto, isso também significaria que tudo o que foi dito e apoiado até hoje seriam mentiras. 
Por outro lado sempre haverá aqueles que até mesmo sem uma única prova, mas apenas sobre evidência circunstancial, continuarão acreditando que em 1943, na Base Naval da Filadélfia, uma experiência misteriosa aconteceu, uma experiência cujos resultados questionam nossa visão cotidiana do mundo. 


- – -
Referências e links
Allen C., The letters to M. Jessup, (1956) 
Bempos T., The Philadelphia Experiment, FLIGHT magazine vol 41 July-August 1986 

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Dragões e Magos Negros - Parte II

Autor: José Alencastro
A primeira parte voce encontra clicando AQUI.
Nos dois textos anteriores foi explicado um pouco sobre a origem dos dragões e magos negros (os magos da escuridão, que são também conhecidos por magos negros pela preferência em usar roupas em tons mais escuros, demonstrando oposição à luz), a indicação de algumas obras sobre o assunto e a questão do exílio planetário.

Nesse texto buscarei esclarecer, segundo meu entendimento, alguns dos eventos finais que envolveram a Atlântida, bem como o desenrolar no resto do planeta, tanto do período final da guerra entre as duas populações atlantes (brancos e vermelhos) como a colonização realizada pelos sobreviventes atlantes, que levaram significativo avanço tecnológico a várias partes do planeta.

A Atlântida da última Era de Ouro (período que demarca o apogeu dessa civilização nos últimos 12 séculos antes da chegada dos capelinos exilados à Atlântida para as suas primeiras encarnações no orbe terrestre) era reduto de espíritos de grande moral e de grande conhecimento, sobretudo na manipulação do fluido universal através do uso de cristais e de metais como o ouro e o orichalco, tecnologia criada pelos magos atlantes que encarnaram durante essa última Era de Ouro e ficaram conhecidos como magos brancos em virtude das vestes que usavam na cor branca. Foi justamente o reencarne em massa na Atlântida de espíritos exilados de Capela que precipitou o fim da Era de Ouro.

Tanto o fluido universal e o orichalco foram usados de forma negativa pelos rebeldes capelinos encarnados na Atlântida na guerra entre os dois povos. Como a manipulação do vril (fluido universal controlado mentalmente) era restrita a um seleto grupo de magos negros nesse conflito, os líderes dos dois povos arranjaram uma forma de proteger e dar força de ataque aos exércitos com atlantes que não dominavam o vril e essa forma foi exatamente o orichalco, talhado na forma de armaduras que respondiam bem na defesa a ataques de vril, pois foi a manipulação do fluido universal que deu origem ao orichalco.

Material leve e extremamente resistente, o orichalco além de resistir a ataques vindos de magos negros (que manipulavam amplamente o vril) tinha outra vantagem e talvez tenha sido essa a decisiva para que o povo dos vermelhos, liderados por Atlas, tenha vencido o conflito entre os dois povos: era um material com propriedades semelhantes aos cristais de quartzo, ou seja, podiam ser programados e foi exatamente essa ampla programação que foi realizada pelo maior mago das sombras que estava encarado naquela época na Atlântida, no povo vermelho: Atlas.
 
Além disso, Atlas possuía ampla ascendência mental sobre o povo vermelho, que o admirava como um verdadeiro líder e isso facilitava uma egrégora mental muito forte e amplamente usada por ele no confronto contra o exército e magos negros da população de etnia branca.

A vantagem do exército de Atlas era tão absurda, em virtude dessa ampla programação das armaduras e da egrégora mental que envolvia seu exército, que numa atitude desesperada, o líder do exército dos brancos, Gaderius, tentou invadir a Grécia para conseguir um contingente maior de homens que pudessem usar as armaduras de orichalco e assim, quem sabe, ter alguma chance contra o exército de Atlas.

Aproveito aqui para corrigir uma informação que coloquei no primeiro texto (parte I), pois na verdade o povo formado pelos atlantes de etnia vermelha não ficava a oriente da Atlântida, mas sim a ocidente, enquanto que os atlantes de etnia branca, liderados por Gaderius, é que viviam a oriente. O ocidente da Atlântida dava para os territórios das Américas, enquanto que o oriente para a Europa e África, isso explica o desenvolvimento das etnias européias, entre terrícolas e descendentes da etnia atlante branca, enquanto nas Américas essa influência foi predominante da etnia atlante vermelha, justamente por eles estarem no lado ocidental da Atlântida.


Atlas era um mago das sombras tão poderoso na manipulação do vril e na manipulação hipnótica que nem todos os magos negros da etnia branca juntos poderiam fazer frente a sua força descomunal, até porque ele usava habilmente a egrégora energética criada pelo povo vermelho que o amava e admirava; diferente do líder da etnia branca Gaderius que não possuía esse carisma junto ao seu povo. Apesar de ser um mago das sombras, Atlas sabia que somente o amor incondicional do seu povo é que poderia dar a força necessária para que enfrentasse a guerra contra a etnia atlante branca e vencesse.

Atlas ficou conhecido como o mitológico Hércules, descrito na mitologia como “um viril guerreiro com uma clava, de pele bronzeada e grande barba, que se utilizava de trapaças e truques a seu favor e que deixou o mundo seguro para a humanidade após destruir diversos “monstros” e também como o mitológico Poseidon , senhor supremo da Atlântida ou Poseidonis, visto como um Deus pelos gregos após salvá-los das tropas de Gaderius. Inclusive a descrição física de ambos, Poseidon e Hércules é bem semelhante, ambos possuem aspecto forte, barba vasta e seguram em uma de suas mãos objetos semelhantes, Hércules um clave e Poseidon um tridente.


Podemos observar no mapa da Atlântida que existiam duas colônias (na verdade um confronto entre as forças dos dois povos) exatamente na África onde hoje é o Marrocos, com o exército de Atlas ao norte, mais numeroso descrito como “Atlas” e abaixo um exército menor, descrito como “AntiAtlas”, pois Gaderius tentou realizar a invasão sobre o território grego exatamente através do norte da África .
 
Após os vermelhos derrotarem por completo o exército de Gaderius, muitos atlantes da etnia vermelha permaneceram na região, dando origem a diversos povos, como os etruscos e os bascos, no entanto a maioria preferiu retornar a Atlântida. Sobreviventes da etnia atlante dos brancos se juntaram a um grupo de atlantes também da etnia branca que havia fugido de barco da Atlântida perante a certeza da derrota para os vermelhos. Os atlantes brancos se aglomeraram então na Península Balcânica (Bálcãs) a sudeste da Europa e assim, nos séculos seguintes junto aos remanescentes da civilização do Hiperbóreo (atual Groenlândia) que já viviam no continente europeu, se iniciou o desenvolvimento majoritário dos árias na Europa.

A guerra entre os dois povos atlantes, vermelhos e brancos, tinha algumas peculiaridades. Gaderius, líder dos brancos, desejava exterminar toda a população dos vermelhos quando vencesse o confronto, enquanto Atlas não tinha esse mesmo desejo, apenas acreditava que a única forma de defender a sobrevivência dos vermelhos na Atlântida seria exterminando o líder e o exército dos atlantes brancos e foi exatamente isso que Atlas fez, pois logo após a vitória sobre os brancos ele não permitiu que a civilização vermelha realizasse uma chacina sobre os cidadãos atlantes da etnia branca que viviam no lado oriental da Atlântida

Esse desejo praticamente insano de extermínio que dominava Gaderius advinha da aliança que ele realizou com os Dragões ( descrito na parte I desse texto), que eram e são seres interessados na destruição do planeta, diferentemente da maioria dos magos negros, que desejavam exercer um controle sobre grupos de espíritos encarnados e desencarnados. O que motivou a Alta Espiritualidade a destruir a Atlântida através da queda de um meteoro vermelho no continente atlante, foi basicamente impedir que a energia advinda do Sol Negro (descrito na página 66 do livro “Atlântida no Reino das Trevas”, Editora do Conhecimento) pudesse se espalhar na dimensão física da Terra.
 
O Sol Negro é uma poderosa egrégora (um foco central onde são canalizadas emanações mentais que criam um campo, uma forma pensamento que absorve todas as energias que se alinham aquela vibração, bem como alimenta energeticamente o espírito que dela saiba usar e manipular) desenvolvida pelos Dragões assim que eles foram exilados pra Terra após o evento em Erg, sendo que essa egrégora emana matéria astral.


Essa matéria astral emanada pelo Sol Negro apresenta intensa radiação atômica, e seria capaz de desagregar a matéria da dimensão material em proporções inimagináveis, como se agisse como um micro buraco negro, caso chegasse à dimensão física.

Sabendo disso, os magos da luz (também conhecidos como magos brancos, pois se vestiam com roupas brancas e não por serem de determinada etnia) que viviam na Atlântida selaram o intenso fluxo de vril que partia do cume da grande pirâmide Atlanteana feita com cristais, para impedir que ele fosse usado no conflito entre os dois povos atlantes. Após o final da guerra, com Atlas reinando sobre toda a Atlântida esse fluxo, que havia sido corrompido durante a guerra, estava agora nas mãos da civilização vermelha e apesar do carisma e esforços de Atlas pra evitar um genocídio contra o povo atlante branco, cada vez mais rebeldes capelinos, encarnados no povo vermelho, começavam a se insuflar desejando vingança completa pelos anos de guerra entre os dois povos.
 
Com o crescente sentimento de vingança sendo alimentado dentro do próprio povo vermelho e a insistência de Atlas em não realizar um genocídio sobre o povo branco, logo surgiu uma conspiração entre os próprios vermelhos para eliminar Atlas, que já se preparava para deixar o poder após aqueles anos de luta, deixando o reinado da Atlântida e seus estados-governo na mão de uma de suas filhas, que era sacerdotisa do vril. No entanto ambos, Atlas e a futura rainha, ja pressentiam que o fim da Atlântida estava próximo.   


No meio desse processo, dias antes da queda do meteorito vermelho na grande Poseidônis, um grupo de vermelhos descobriu a “pirâmide inversa”, uma formação feita de matéria astral (antimatéria) que tinha as mesmas dimensões da Grande pirâmide Atlanteana, só que com o cume apontando pro centro do planeta e era usada na última Era de ouro pelos magos da luz em diversos processos tecnológicos para o bem da civilização atlante, mas que vinha sendo estudada nos anos finais de vida de Gaderius como forma de captar a energia do Sol Negro dos Dragões.

Gaderius apenas não iniciou o uso dessa captação do Sol Negro pois não soube como manipular essa energia enquanto era vivo, pois sabia que se perdesse o controle, a energia causaria uma intensa destruição nas imediações da Grande Pirâmide, que estava exatamente no território do povo branco, o que poderia causar a destruição completa do seu reino durante a guerra que travou com Atlas.

Os vermelhos que desejavam tirar Atlas do poder resolveram ativar a pirâmide inversa, mesmo sem ter o conhecimento pleno de como manipular aquela energia, pois sabiam que essa energia seria capaz de atingir Atlas ou qualquer outra pessoa à distância, além de iniciar um processo de destruição onde os atlantes brancos viviam.

Foi essa ativação a razão da morte de Atlas e a responsável por um processo irreversível na grande pirâmide Atlanteana, que deu início  a emanação de cada vez mais radiação do Sol Negro, que era parcialmente bloqueada pela programação existente nos cristais da grande pirâmide, feita na época de ouro pelos magos da luz e não havia sido ainda corrompida totalmente.

A radiação começou a se espalhar rapidamente mesmo com o bloqueio parcial, pois os vermelhos não tinham o conhecimento necessário pra controlar aquela energia, que vinha das profundezas da escuridão.

A anarquia se instalou na Atlântida, pois os conspiradores vermelhos começaram a realizar uma chacina tanto entre membros da civilização dos brancos como os próprios vermelhos que fossem fiéis aos ideais do já falecido rei Atlas e de suas filhas.

A sacerdotisa e filha escolhida por Atlas para ser a rainha dos atlantes foi morta e outras duas foram “ofertadas” aos deuses (os rebeldes capelinos eram politeístas), acorrentadas num dos portos atlantes para tentar acalmar a ira da natureza que já convulsionava, pois terremotos e vulcanismo começaram a se tornar intensos com o grande desequilíbrio energético produzido pela Grande Pirâmide.
 
Somente o intenso calor da lava vulcânica somada à pressão que a pirâmide sofreria quando estivesse afundada a kilômetros no oceano seria capaz de conter aquele verdadeiro portal aberto para o “inferno” e foi exatamente isso que aconteceu: o meteoro vermelho caiu sobre a Atlântida com um impacto tão violento que rachou a placa tectônica abaixo do território atlante, produzindo inundação por magma dos vulcões e depois da água do oceano invadindo o território que afundava em 2 grandes pedaços.
 
Foi a única forma de selar a expansão energética da energia advinda do Sol Negro através da grande pirâmide atlanteana, que permanece restrita atualmente ao Triângulo das Bermudas, causando apenas alguns desequilibrios magnéticos na região .      


Podemos, por fim , lembrar ainda a mitologia grego-romana (que inclusive coloca Poseidon como uma divindade de origem etrusca) nos informando que “Poseidon teve de enterrar seus filhos, tamanha suas atrocidades, para assim evitar maior castigo”, o que denota de forma velada o afundamento da Atlântida/Poseidônis em virtude do grande desregramento dos capelinos rebeldes encarnados na Atlântida, a terra do rei Atlas.

Outra informação interessante, contida no livro “Atlântida no Reino das Trevas” é o formato do trono do grande rei, exatamente na página 260, descrevendo um trono que continha em cada um dos dois braços, a cabeça de um leão esculpida. “Coincidentemente”, Hércules é retratado na mitologia revestido pela pele de um leão inteiro com a cabeça do leão normalmente sobre seu ombro ou sobre sua cabeça. O leão era o símbolo da liderança de Atlas sobre o povo vermelho, que diferentemente do povo branco que era imberbe, possuíam os vermelhos vasta e espessa barba e corpo muito mais atlético, outra diferença da população dos atlantes de etnia branca, que eram esguios e com traços físicos mais refinados. O trono do rei atlante e a própria construção da Esfinge pelos atlantes no formato de um gigantesco leão inteiro (que teve a cabeça quebrada após o violento tsunami que atingiu o vale de Gizé quando do afundamento da Atlântida) atestam a supremacia dos vermelhos e do seu rei Atlas no período final da civilização atlante.




O Sol Negro é uma espécie de usina energética alimentando e potencializando as emanações em desequilíbrio dos encarnados que estabelecem sintonia com essa egrégora e alimenta diversas bases de magos negros situadas no astral inferior que utilizam essa força motriz como uma espécie de “motor” que é movido pelo “combustível” que eles, os magos negros, têm condições de manipular: o ectoplasma que conseguem junto aos habitantes encarnados da Terra.

A matéria astral produzida pelo Sol Negro, devido à intensa radiação atômica que apresenta acaba por favorecer a manipulação dos magos negros sobre o ectoplasma na construção dos mais diversos artefatos, desde clones até cidades astrais inteiras, pois a radiação atômica do Sol Negro traz uma energia que pode ficar reservada dentro dos moldes criados pelos magos negros com ectoplasma, sendo muito mais fácil o controle mental e por isso mesmo podem controlar até mesmo a forma de cidades astrais inteiras, como um motorista de carro que usa habilmente o motor do seu carro (o motor é a energia vinda do Sol Negro) mas que necessita do combustível (ectoplasma) pra continuar comandando o carro (o ato de dirigir são os comandos mentais utilizados pelos magos negros)


A própria Terra realiza constantemente processos de limpeza em sua esfera psíquica, até mesmo pra evitar que todas as emanações de pensamentos e vibração negativa dos encarnados sejam absorvidas pelo Sol Negro. No entanto, com a proximidade do exílio planetário e a execução já nos dias de hoje de pré exílios constantes no lado obscuro da Lua (zona astral que fica na Lua dentro de crateras aonde não chega a luz do Sol) essas emanações vem atingindo níveis cada vez mais intensos, exigindo a potencialização desse processo de limpeza, através da maior absorção de luz solar pela magnetosfera terrestre bem como em breve a absorção da energia advinda do cinturão de fótons.
Como relatado no texto acima: “Na corrente negativa essa energia emanada pelo portal estará ligada a egrégora de pensamentos negativos, de baixa vibração dos futuros exilados e que saturam a aura psíquica do planeta Terra”.


Ou seja, na corrente negativa que unirá no astral em um “trilho” a Terra ao portal que será aberto em Alcyone, fluirá uma corrente de fótons que irá magnetizar gradativamente a energia que será gradativamente retirada do Sol Negro (a egrégora negativa), ajudando assim no processo de limpeza da Terra e enfraquecimento do Sol Negro e da mesma forma usando a própria energia do Sol Negro, imantada a contrapartida astral do Apophis, para atuar no processo exilatório nas três passagens do Apophis próximas a Terra: em 2013 e muito próximas em 2029 e 2036.

Nesses 7 anos, de 2029 a 2036 esse processo será acelerado, ou seja, o transporte da energia do Sol Negro para o Apophis , até que em 2036 a egrégora fosse totalmente imantada ao Apophis, materializando momentaneamente por algumas horas a contrapartida astral do asteróide , dando a impressão aos astrônomos que um planeta imenso ou um “segundo Sol” estará passando próximo a Terra.

Esse fenômeno visa acabar totalmente com essa estrutura de centenas de milênios criada pelos Dragões e usada hoje por eles e os magos negros, submetidos ao comando dos dragões no submundo astralino.


Quando essa egrégora for materializada e tivermos dois sóis no céu (o Sol Negro e o Sol, pois o fenômeno ocorrerá ao meio dia horário em Israel no dia 24 de abril de 2036) as comportas do "inferno" serão abertas e espíritos desencarnados e em processo de exílio serão vistos materializados por toda a humanidade, esse processo não vai durar 3 dias mas sim 3 horas:

" Desde a hora sexta até a nona, cobriu-se toda a terra de trevas." (Mateus 27:45)

Lembrando que "hora sexta" significa meio dia.

Não há como pensar em se iniciar uma Terra Regenerada sem a retirada dessa egrégora monstruosa que deixa a esfera psíquica do planeta atualmente com um aspecto obscurecido( essa egrégora é o foco mental criado pelos dragões) e mais além, é necessário que todos os sobreviventes do grande evento tenham a plena convicção da existência do plano espiritual e das mudanças que estarão ocorrendo, por isso terão a visão do astral aberta durante esse fenômeno.



Mas porque o Sol Negro ainda não foi destruído? Porque ele existe a milênios e ainda não foi exterminado pelos espíritos responsáveis pela evolução da Terra???

A resposta é simples: porque a própria humanidade alimenta com a sua invigilância o Sol Negro, ele só existe porque a humanidade atrasada moralmente alimenta energeticamente essa forma pensamento de energia gigantesca que tem apenas o seu foco manipulado pelos dragões. Enquanto a humanidade estivesse no período de expiação e provas e os dragões, magos negros e espíritos invigilantes não fossem exilados, não adiantaria nada destruir essa egrégora, pois prontamente ela seria refeita.

Agora, com o aceleramento do exílio planetário e a proximidade do seu auge em 2036, quando serão exilados dragões, magos negros e os espíritos distanciados da prática do amor e longe do esforço na reforma moral para que então se inicie uma Terra Regenerada, onde apenas espíritos fraternos e com vontade sincera de evoluir moralmente possam reencarnar, aí sim é necessária a destruição do Sol Negro, pois não apenas ele será destruído como também os espíritos que o mantém ativo serão exilados.

Mas o exílio dos dragões e magos negros, juntamente com os espíritos invigilantes da humanidade, já não seria suficiente pra desativar o Sol Negro?

Sim, seria um processo gradativo onde pouco a pouco o Sol Negro perderia sua sustentação, pois seu foco mental não seria mais alimentado pelas mentes dos dragões, bem como não receberia mais a abundante energia da humanidade invigilante, certamente entraria em colapso em poucos anos. Porém, a própria energia dessa egrégora será útil na atração dos futuros exilados, pois estes possuem profunda ligação vibratória e psíquica com essa egrégora, o Sol Negro.

A Alta Espiritualidade apenas aproveitará essa energia negativa para um propósito (o auge do processo exilatório) antes que a egrégora seja destruída e a energia negativa nela existente seja purificada após o fim do exílio planetário, voltando para a Terra, e livre do intenso bombardeio tóxico-mental dos espíritos em desequilíbrio que não terão mais acolhida na Terra Regenerada após o final do processo exilatório.

Como funciona essa egrégora, como é formada a estrutura tecnológica do Sol Negro?

Certamente é um assunto que merece muito mais do que poucas linhas dessa resposta, pois a estrutura egóica em si é de avançada tecnologia, porém usada para o mal e para fins de dominação. Inclusive as pirâmides criadas pelos atlantes são na verdade centros de poderosas egrégoras, onde o cume dessas pirâmides funcionava como a contrapartida material do foco da egrégora, que estava no astral. Parte dessa tecnologia foi colocada nas demais pirâmides construídas pelo mundo que traziam apenas parte desse grande conhecimento. É um assunto que  merecerá um futuro e amplo texto sobre o tema, pois no futuro após o fim do exílio planetário, essa avançada tecnologia hoje usada para o mal no Sol Negro será usada para o bem e desenvolvimento espiritual de toda a humanidade, como usada nas Eras de Ouro atlanteanas.


Fonte: http://profeciasoapiceem2036.blogspot.com/search/label/Drag%C3%B5es

Dragões e Magos Negros - parte I

Autor: josé Alencastro
Dragões e magos negros, ditadores do abismo e senhores da escuridão, ultimamente estão sendo feitos amplos estudos sobre esses espíritos. Os primeiros relatos surgiram com a obra de Ranieri (amigo pessoal do Chico Xavier) conhecida como “O Abismo”, depois tivemos algumas outras obras, das quais eu acredito serem muito importantes os livro “Erg, O Décimo Planeta” do Roger Feraudy (que aponta o auge dos eventos catastróficos na Terra para bem próximo de 2036), além da trilogia do Robson Pinheiro “Legião”, “Senhores da Escuridão” e “A Marca da Besta”. Mostrando também um panorama dessas entidades, dois livros do Roger Paranhos “Atlântida no Reino da Luz” e “Atlântida no Reino das Trevas”. Obras de suma importância para conhecer esses seres. Vamos então começar analisando quem são Dragões, magos negros bem como o exílio planetário de Capela, o exílio após a destruição de Erg, bem como o atual momento que estamos passando onde ocorrerá mais um exílio planetário.

Dragões, também conhecidos como draconianos, possuem essa denominação não porque sejam fisicamente parecidos com os mitológicos dragões que cuspiam fogo, mas simplesmente porque possuem o pleno controle dos elementos, simbolizado pela figura do dragão, pois o animal dragão segundo a mitologia cuspia fogo, voava, andava sobre a terra e podia também mergulhar nas águas.Além disso estão acima dos magos negros, também conhecidos como reptilianos pela aparência escamosa e cheia de grossas feridas que os magos negros possuem no seu corpo astral, dando a eles uma aparência que lembra um réptil, sendo que o dragão segundo a mitologia foi o mais poderoso dos répteis que já existiram.


A origem dos Dragões remonta ao confronto milenar que ocorreu em tempos remotos entre esses espíritos e os habitantes de Erg. O mundo de origem dos Dragões ficava próximo a Erg e esses dois mundos ficavam entre Marte e Júpiter. Os Dragões iniciaram um confronto para tentar impor sua ascendência sobre os habitantes de Erg e com o conflito e não aceitação dos habitantes de Erg, esse planeta foi explodido durante o confronto, sendo hoje visível como o cinturão de asteróides que existe entre Marte e Júpiter.

Uma das razões que motivaram os Dragões a invadir Erg, foi a descoberta que seu mundo de origem que ficava próximo de Erg sofreria um grande processo de afastamento do sistema Solar, indo para outro sistema solar para que a vida naquele mundo passasse a ser mais materializada, tal como é na Terra hoje. Com a destruição de Erg, tanto os dragões como os espíritos de Erg que participaram ativamente do grande conflito acabaram sendo atraídos para a Terra.

Magos negros, também conhecidos como reptilianos, são originalmente os habitantes de Erg que participaram ativamente do grande conflito com os Dragões e vieram junto para a Terra com estes. Também conhecidos como magos negros estão alguns dos espíritos originários do sistema de Capela , que foram exilados para a Terra, porém um exílio mais recente que o dos magos negros vindos de Erg . Durante o conflito entre os dois povos da Atlântida (brancos do ocidente e vermelhos do oriente) a aproximadamente 12 mil anos, os capelinos se aliaram aos Dragões para combater os magos negros originários de Erg. O povo vermelho do Oriente contava com o apoio dos magos negros de Erg, enquanto que o povo branco do ocidente contava na sua maioria com capelinos aliados aos Dragões , apesar de existir um número pequeno de capelinos que se aliou aos antigos magos negros de Erg.

A vitória desse conflito na Atlântida foi do povo vermelho, pois apesar do maior conhecimento dos Dragões , estes estavam impossibilitados de atuar diretamente na terceira dimensão pois não aceitavam reencarnar , enquanto que os magos negros de Erg estavam alguns encarnados e atuando diretamente na terceira dimensão. Ao perceber que a derrota dos magos negros capelinos seria inevitável, os Dragões não deram prosseguimento ao conflito, inclusive se isolando para regiões mais inferiores no astral, abandonando o apoio aos magos negros capelinos, pois já sabiam que um grande acontecimento iria destruir a Atlântida e por conseqüência colocar fim a supremacia dos magos negros de Erg na Atlântida .

Esse abandono gerou a derrota dos magos negros capelinos que em sua maioria estavam no povo ocidental dos brancos, que foi subjugado pelo povo vermelho do oriente. Após a dura derrota que ambos os magos enfrentaram com a destruição da Atlântida, através da queda de um asteróide que afundou praticamente toda a Grande Ilha, estes se dividiram em grupos, disputando o controle das zonas umbralinas do astral e sua influencia nos povos encarnados na terceira dimensão da Terra. A partir desse ponto se iniciou uma aliança com os Dragões, que será relatada mais pra frente.

Exílio de Capela : a aproximadamente 12 anos um grande grupo de espíritos foi exilado do sistema de Capela, pois não acompanharam a evolução de um de seus mundos, que passava por um processo semelhante ao que a Terra irá passar em breves décadas, evoluiria mais um degrau na escada evolutiva dos mundos. Alguns de seus habitantes não acompanharam essa evolução, seja pelo apego excessivo ao materialismo, seja pelo distanciamento do aperfeiçoamento moral e dessa forma teriam que recomeçar seu ciclo reencarnatório em outro planeta, que no caso era a Terra. Mais relatos desse impressionante evento podem ser vistos nos livros “Os Exilados de Capela” (Edgard Armond), “A Caminho da Luz” (Chico Xavier pelo espírito de Emmanuel) e “Atlântida , no Reino da Luz” (Roger Paranhos, pelo espírito de Hermes). Nesse grupo de espíritos exilados vieram alguns com grande conhecimento na manipulação das energias ligadas a malha magnética planetária, que engloba tanto o fluido universal em diferentes formas como uma energia impregnada pela vitalidade de vegetais e animais ligadas ao principio material , uma espécie de fluido vitalizado, que poderia ser habilmente manipulado pelo uso de recursos mentais específicos e uso de materiais específicos como o ouro e cristais junto a elementais da natureza, uma espécie de “magia” que possibilitaria levitação e transmutação de elementos materiais que ficou conhecida por alguns como VRIL.


O mau uso durante a guerra entre os dois povos , bem como o uso dos catalizadores (pirâmides) de energia para manipular grandes fluxos tanto de energia vinda do astral como a vinda do centro do planeta, causou um desequilíbrio tamanho no planeta que um asteróide teve que cair na Atlântida para impedir que aquela tecnologia (criada pelos magos brancos durante a ultima Era de Ouro da Atlântida) fosse usada para causar guerras no resto do planeta. Com a queda do asteróide, a Terra inclinou seu eixo em alguns graus, o que causou também uma maior dificuldade em manipular a energia da malha magnética, que fluía de forma muito mais estável quando o eixo estava verticalizado (por isso da necessidade , segundo nos informa Ramatís, que o eixo da Terra volta a ser verticalizado para que possamos entrar na Era do Mentalismo e resgatar os conhecimentos milenares dos magos brancos da Atlântida em toda a sua amplitude).
Atualmente a Terra passa por processo semelhante ao exílio planetário que ocorreu em Capela. A Terra deixará de ser mundo expiatório e passará a ser um mundo regenerado, onde apenas poderão reencarnar espíritos com um mínimo de desejo sincero pela reforma moral e pela fraternidade e paz entre os povos. Todo esse processo será descrito em outros textos, sobretudo na questão do ápice das transformações , que ocorrerão com conflitos entre nações e mudanças por desastres naturais, que auxiliarão no afastamento dos futuros exilados e impulsionarão os eleitos a se unirem pela reconstrução dos escombros do planeta.

Ainda sobre os magos negros e Dragões, o livro do Robson Pinheiro ("Senhores da Escuridão") expõe claramente, através dos relatos do Dragão, que na verdade os primeiros magos negros não foram os capelinos, mas sim os espíritos de Erg que tiveram seu mundo explodido e desejavam vingança contra os Dragões , responsáveis pela destruição de Erg.

Ambos os grupos de rebeldes vieram muito antes do que os capelinos, estes últimos também ficaram conhecidos (alguns) como magos negros, porém não  são os “originais”.

O que é dito pelo Dragão não menciona o conflito em especifico na Atlântida, mas basicamente o que ocorreu na guerra entre as duas raças, segundo o relato do Dragão, foi que os magos negros “originais”(os espíritos vindos de Erg que desejavam vingança) aceitaram, ao contrário dos Dragões reencarnar no planeta e começaram a agir diretamente no século final da Atlântida, quando o sistema social entrou em colapso, a aproximadamente 12 mil anos.

Os Dragões, que não aceitavam reencarnar, se aliaram então aos capelinos, dentre os quais surgiram também alguns magos negros, sem que entretanto tivessem o mesmo poder dos magos negros “originais” de Erg, que tinham ascendência direta sobre a raça vermelha e seu principal mago negro: Atlas, que futuramente viria a reencarnar como o cruel Menés e depois como Moisés, para iniciar sua regeneração em missão crística.

Após o conflito no plano físico, que resultou no afundamento da Atlântida, tanto os magos negros “originais” de Erg como os magos negros capelinos continuaram atuando nas zonas astrais, enquanto que os Dragões, por não aceitarem a reencarnação, e por não terem mais a possibilidade de continuar nas zonas umbralinas mais próximas a superfície devido aos graves problemas na sua retina perispiritual e crescente diluição da estrutura atômica do seu corpo astral, tiveram que ir para as zonas mais inferiores, conseguindo atuar nas zonas astrais próximas a superfície onde estavam os magos apenas por irradiação mental, já que o centro da sua consciência estava exilados às zonas abissais.

Longe disto ter sido uma vitória dos magos negros “originais”, pois estes sabiam que só triunfaram nas zonas umbralinas próximas a superfície pela desistência dos Dragões em reencarnar. E além disso os magos negros originários de Capela também estavam nessas zonas umbralinas mais superficiais , sendo que os “originais” de Erg sabiam que o conhecimento dos Dragões era mais amplo que o conhecimento deles (os magos negros vindo de Erg) e que esse conhecimento poderia ser decisivo para ajudar os magos negros capelinos a sobrepujar a autoridade dos magos negros de Erg no astral umbralino.


Como o desejo de ambos os magos negros (tanto de Capela como Erg) era somente poder e controle, os magos negros de Erg (os “originais”) buscaram uma aliança com os Dragões, sabendo que estes estavam exilados em zonas abissais, para que tivessem posse de um conhecimento mais amplo, que eles magos não tinham. Para os Dragões interessava e interessa essa aliança , não pela simples questão de poder e controle, pois seu real desejo é abandonar a Terra, com o intuito de retornar ao seu mundo de origem (que sequer está no nosso sistema solar).

Para isso, eles sabem que atualmente só existe um caminho: realizar o mesmo que fizeram em Erg, só que na Terra. Para tanto, os Dragões se utilizam dos magos negros como emissários de suas técnicas milenares, visando expandir a descrença, o medo, o materialismo, a depressão em toda a raça humana. A diferença básica entre magos negros e Dragões é que os magos buscam o poder e controle através das sensações que a Terra pode proporcionar, que a matriz corporal da Terra proporciona. Isso, os Dragões já abandonaram a muito tempo, pois nem corpo astral possuem mais, seu desejo de poder e dominação é mais amplo e não está em permanecer e controlar a Terra, mas sim destruí-la como forma de libertação.

Não é a toa que varias religiões e canalizações espiritualistas relatam o “fim do mundo” como a destruição física, pois são religiosos e médiuns que acabam sendo diretamente influenciados pela ação coercitiva e sutil dos magos negros que exploram habilmente os medos mais profundos das pessoas e transmitem a vontade dos Dragões: que o planeta Terra seja simplesmente extinto.


A necessidade do exílio planetário está justamente em isolar essas duas categorias de seres, juntamente com os espíritos que não demonstram o menor desejo de buscar uma modificação moral. Dois terços aproximadamente dos espíritos que vivem na aura terrestre entre os dois planos não tem o mínimo desejo de modificação. Um terço mostra algum interesse e esforço sincero nessa mudança e são esses que irão permanecer reencarnando na Terra, só que sem mais a ação dos espíritos milenares e os dois terços que se deixaram levar por eles, o que irá possibilitar com essa mudança uma ruptura total com os paradigmas que vivemos atualmente, tanto sobre o entendimento sobre o que é o Estado, o que é a propriedade e o que é a globalização, mudando toda a estrutura da sociedade e economia e sobretudo das religiões.