terça-feira, 10 de maio de 2011

A conspiração de 11 de Setembro

Novas informações sobre os eventos de 11 de setembro provam o envolvimento do governo americano.
Em 11 de setembro de 2001, o mundo inteiro assistiu pela televisão, um alegado atentado terrorista envolvendo aviões comerciais com dezenas de pessoas a bordo. Os alvos eram o World Trade Center, considerado o centro financeiro dos Estados Unidos, o Pentágono, considerado o centro militar e a Casa Branca, residência oficial do presidente americano.
Por vários anos estes eventos foram tratados como meros atentados terroristas planejados por Osama Bin Laden e seus seguidores que justificavam uma intervenção militar em países do Oriente Médio.
Hoje, vários anos após estes eventos, novas informações provam que o a Al-qaeda e Bin Laden não estavam por trás dos ataques. Estas novas evidências apontam o próprio governo americano como autor destes atos terroristas. Citarei neste artigo algumas destas evidências que, logicamente, poderão ser comprovadas por que tiver interesse.
Podemos começar citando fatos ocorridos antes dos ataques. Menos de 24 horas antes do atentado, as ações das empresas aéreas envolvidas no ataque tiveram uma alta 25 vezes maior que a média. Isso chamou a atenção da direção da Bolsa de Nova York que prometeu uma investigação a respeito que até hoje não saiu. Pouca gente ganhou dinheiro (e muito) nessas operações.
No dia seguinte, o WTC e o Pentágono são atacados. Um outro avião, o vôo 93, caiu perto de Pittsburg, na Pensilvânia (EUA). Seu alvo era a Casa Branca. O curioso é que justamente no dia anterior, quase todos os aviões de caça, encarregados da defesa da cidade, foram enviados para outras regiões para treinamento de guerra. Para entendermos o que realmente aconteceu é necessário relembrar o horário em que os eventos aconteceram:
8h48 - O vôo American Airlines 11 atingiu a Torre Norte do WTC.
9h03 - O vôo United Airlines 175 atingiu a Torre Sul.
9h38 - O vôo American Airlines 77 atingiu o Pentágono.
9h59 - A Torre Sul do WTC entrou em colapso;
a Torre Norte caiu às 10h28.
10h00 - O vôo United Airlines 93 caiu na Pensilvânia.
A Administração Federal de Aviação suspendeu todo o tráfego aéreo nos Estados Unidos e desviou os vôos internacionais para o Canadá. Os escritórios federais e edifícios públicos em Washington, Nova York e outras cidades importantes foram fechados.
16h10 - O edifício 7 do World Trade Center entrou em colapso.
20h30 - O presidente Bush discursou para a nação: "Os ataques terroristas podem abalar as fundações dos nossos maiores edifícios, mas não podem tocar nas fundações dos Estados Unidos."
As autoridades afirmam que 2.829 pessoas morreram no World Trade Center, incluindo os passageiros dos aviões dos vôos AA 11 e UA 175 e 453 funcionários de segurança pública que atenderam à emergência. Os mortos vieram de mais de 90 países de todo o mundo. Um fato interessante é que os funcionários de origem judia, que trabalhavam no prédio (e eram muitos) tiraram folga na semana dos ataques, ou simplesmente faltaram ao trabalho naquele dia. No Pentágono em Washington DC, 189 pessoas teriam morrido, incluindo as 64 pessoas a bordo do vôo American Airlines 77. No vôo United Airlines 93 que teria caido no oeste da Pensilvânia, seriam 44 vitimas.
Nos dias seguintes os americanos se mostraram fragilizados e traumatizados com os eventos. Se mostraram como vitimas de um atentado terrorista patrocinado pelo milionário saudita Osama Bin Laden. Estes fatos justificavam uma guerra total contra o terrorismo que resultou em milhares de mortes no Afeganistão e no Iraque.
A polêmica sobre uma possível fraude nos atentados surgiu em meados de 2002 quando um site francês questionou o fato de que não existiam provas de um avião no pentágono. Um resumo das evidências descobertas transformou-se em um filme que pode ser encontrado no seguinte endereço:  http://www.pentagonstrike.co.uk/pentagon_bp.htm.
No vídeo, além da ausência de destroços do avião, nota-se a existência de janelas intactas a poucos metros do local de impacto, a perfeição do gramado onde o avião teria passado, o buraco produzido pelo impacto que é muito menor que um boeing 757. A possibilidade levantada pelo grupo francês, e posteriormente por outros pesquisadores, era de que na verdade um míssil de cruzeiro atingiu o Pentágono. Embora existissem muitas evidências contestando o ataque ao Pentágono, não haviam questionamentos aos ataques às Torres Gêmeas, pois milhares de pessoas testemunharam os fatos que foram gravados em vídeo.
No entanto, em 2005, surgiram várias evidências que provam que os ataques ao World Trade Center também poderiam ter sido forjados. Podemos citar algumas contradições do Governo Americano em relação aos terroristas culpados pelos ataques.
Estes alegados terroristas teriam embarcado em vôos saindo de Portland, Whashington e Boston. Um dos terroristas, Mohammed Atta e Abdulaziz Alomar, teriam embarcado em Portland (segundo a versão oficial) com destino à Boston. Ele teria sido filmado pelas câmeras do aeroporto. O vídeo é de péssima qualidade e ficava distante do local do embarque, o que gera dúvidas com relação à esta identificação. Apesar disto, pode-se ver duas pessoas vestindo trajes esporte. Michael Tuohey trabalhava no guichê e afirma ter visto dois homens árabes que usavam paletó e gravata.
As contradições não param aí.... Segundo o FBI, Atta teria alugado um Mitsubishi Sedan que foi encontrado no aeroporto de Boston com alguns papéis referentes à lições de vôo em árabe. O fato é que Atta embarcou em Portland e não em Boston. O maior absurdo que o FBI divulgou é que nos destroços do WTC teria sido encontrado o passaporte de Satam Al Sugami, que seria um dos terroristas que estariam seqüestrando o segundo avião. Agora eu pergunto: Como o passaporte (feito de papel) poderia resistir à bola de fogo gerada pela explosão, resistir ao incêndio da Torre e ser encontrado posteriormente pela polícia? Devemos lembrar que a maior peça de mobília encontrada nos destroços das torres foi a metade de um teclado.
Também é muito interessante a declaração de George W. Bush sobre a primeira impressão que ele teve em relação aos ataques: ?Eu vi um avião atingir a torre - a TV estava obviamente ligada - e eu, acostumado a voar, falei 'Que piloto terrível. Deve ter sido um horrível acidente". Esta afirmação poderia passar desapercebida se não fosse o fato de que não havia até o final do dia uma filmagem do primeiro impacto. As emissoras de televisão chegaram ao local minutos depois do primeiro avião colidir contra a Torre Norte. Estas registraram o segundo impacto de vários pontos diferentes.
Analises recentes destas filmagens identificaram uma série de fatos estranhos nos dois choques. No primeiro choque, analisando-se quadro a quadro nota-se um flash luminoso no local onde o avião iria bater. Pouco depois do flash observa-se a sombra do avião sobre o WTC e logo após o impacto do avião.
No segundo impacto, existem ainda mais fatos estranhos. Este segundo avião seria, segundo as versões oficiais, um boeing 767, da United Airlines. No entanto, diversas testemunhas, entre elas, jornalistas, policiais, bombeiros e curiosos que estavam no local e viram o avião se aproximando são categóricos ao afirmar que o avião não se parecia com um boeing a United Airlines. Isso pode ser confirmado a partir de alguns vídeos tomados na ocasião. Neste segundo avião, além das cores diferentes, nota-se um logotipo não identificado um pouco a frente das asas. Na parte de baixo do avião observa-se uma estrutura alongada que não está presente em boeings 767. Alguns afirmam ser um míssil acoplado ao avião, ou um dispositivo semelhante aos observados em alguns aviões militares de grande porte. Neste impacto também observa-se um flash luminoso na torre no local onde o avião irá bater. Alguns pesquisadores acreditam que este flash seja um sistema de direção laser, muito utilizado em mísseis e outros dispositivos teleguiados.
Com relação à queda das torres, existem muitas evidências atestando que elas foram, na verdade, implodidas. Segundo as versões oficiais do governo americano, o combustível dos aviões derreteu vigas de aço que sustentavam os edifícios. Com o derretimento estas vigas teriam cedido ocasionando a queda das torres. Um terceiro edifício teria sido abalado pelos destroços das torres e teria caído na tarde do mesmo dia. As novas evidências jogam por terra todas estas declarações. Vejamos o porque: O primeiro avião atingiu a torre norte em cheio. Todo o combustível do avião adentrou nas estruturas do edifício. Alguns minutos depois, outro boeing atingiu a torre sul. Só que este não atingiu a torre em cheio e sim na lateral, ocasionando uma grande explosão que consumiu a maior parte do combustível do jato. Esta segunda torre a ser atingida foi a primeira a cair.
Quando as torres desabaram haviam muitas pessoas nas proximidades. Muitas destas pessoas ouviram explosões seqüenciadas gerando suspeita da presença de bombas dentro dos prédios. A análise dos vídeos tomados na ocasião gerou novas evidências. Durante o desabamento das duas torres observa-se jatos de pós saindo de pontos simétricos dos prédios, em intervalos regulares, exatamente como o que ocorre em demolições controladas de edifícios. Mas como alguém conseguiria instalar bombas dentro dos prédios?
Ben Fountain, era analista financeiro e trabalhava em uma das torres do WTC. Ele deu uma entrevista à revista People dizendo que semanas antes do 11 de setembro aconteceram movimentações estranhas no WTC. O WTC 7, que também desabou em 11 de setembro, foi evacuado por questões de segurança na mesma época destas movimentações. A entrevista ainda está disponível na Internet no endereço da revista:  http://web.archive.org/web/20010914230312/people.aol.com/people/special/0,11859,174592-5,00.html
Um outro funcionário, Scott Forbes, que trabalhava para a Fiduciary Trust na Torre Sul, declarou em uma entrevista à Wing TV que sua companhia recebeu um aviso, de 3 semanas de antecedência, de que a Companhia Elétrica de Nova Iorque iria desligar as luzes a partir do andar 48. A razão alegada é de que a companhia elétrica iria fazer um melhoramento de energia para aumentar a capacidade do WTC de números de computadores. Forbes disse, que nunca haviam cortado o fornecimento de luz antes dessa ocasião. Como desligaram as luzes, as câmeras de vídeo de segurança ficaram sem funcionar assim como os sistemas de identificação e os elevadores para andares acima de 48. Havia muitos engenheiros entrando e saindo do World Trade Center que tinha acesso livre ao prédio em função do sistema de segurança ter sido desligado.
Nessa mesma época houve um relaxamento na segurança do complexo. Cães farejadores de bombas foram dispensados e maioria da equipe de segurança estava ausente durante as semanas anteriores ao atentado e assim permaneceram até a fatídica data. A pessoa que teria autorizado este relaxamento na segurança seria ninguém mais ninguém menos que Marvin Bush, irmão do presidente americano. Por coincidência Marvin era diretor da HCC Insurance Holdings, empresa de seguros do World Trade Center.
Fatos como este são apenas a ponta de um gigantesco Iceberg. Existem muitos outros fatos evidenciando uma farsa gigantesca por trás deste evento que justificou uma guerra e milhares de mortes de inocentes. Fatos como estes devem ser divulgados para que no futuro nossas opiniões sejam manipuladas por novas farsas como ocorreu com os eventos de 11 de setembro.

Artigo publicado originalmente no site www.midiaindepedente.org

Nenhum comentário:

Postar um comentário